Analista fala ou não fala???

Já não é a primeira vez que recebo analisandos que me fazem a seguinte pergunta, ao primeiro contato ao telefone: “Sua linha de atendimento é daquelas que falam e explicam o processo ao paciente ou você só fica ouvindo?” 

Essa questão sempre me causa certo estranhamento, já que no primeiro contato acho prudente explicar como funciona o processo de analise. Sei que nem todas as linhas (usando o conceito do senso comum) irão concordar com isso. Mas entendo que o perfil de atendimento de cada analista é determinado por certo estilo, definido pela personalidade de cada profissional. Nessa parte alguns colegas vão pular frente ao PC. Porém entendo que a personalidade do analista não deve comparecer nos tratamentos de seus pacientes, mas como negar que a forma de conduzir venha atravessada por certos tons particulares?

Então…Qual a melhor estratégia ou linha para cada tipo de paciente. Sou a favor da premissa de que A PSICANALISE ESTÁ PARA TODOS, MAS NEM TODOS ESTARÃO PARA A PSICANALISE. Assim explicar como o processo de análise se dá logo das primeiras entrevistas me parece de bom senso. Mesmo que não se trate de uma aula didática percebo que algumas explicações sobre como se dá o processo trazem certo conforto e desinibição nos primeiros contatos. Algo que vejo como fundamental para que os analisandos insistam no processo e se permitam experimentar. Esse é um ponto de vista muito particular de minha clínica e que tem feito seu diferencial até hoje.

 

Contudo, nós analistas não devemos deixar nossos pacientes completamente satisfeitos, já que a análise acontece numa certa dose de insatisfação dos desejos. Assim permita-se a cada caso avaliar até onde deve ir nas explicações. Tudo em análise tem uma certa medida, que só pode ser mensurada no aqui e agora. Essas recomendações têm sua importância, para que não reforcemos estereótipos de mutismo ou de aconselhamentos, tão difundidos pela mídia televisiva.

                Analista fala! Fala no ato, no caso e no momento que faz diferença falar!

Esse post foi publicado em Análise, Formação, Psicanálise, Psicologia, saúde mental e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s