A moda da depressão ou depressão, à sua moda.

A posição de um profissional da saúde mental diante de seu paciente é de atenuar a idéia supervalorizada de que nunca se é feliz o suficiente.

Faz parte do nosso arcabouço psíquico, expressar pólos diferentes de emoções. Tais como as emoções positivas: alegria, felicidade, êxtase o ser humano também porta emoções negativas (tristeza, raiva e desânimo.), que estabelecem um equilíbrio ao nosso saudável funcionamento.

Pesquisadores da Universidade de Harvard desenvolvem a teoria, de que os humores sombrios portam uma conexão com a criatividade. À exemplo disso, grandes artistas, escritores e músicos padecem de depressão ou bipolaridade. Demonstrando assim sua maior produtividade quando imersos em estados de emoções mais sombrias.

Acredita-se que a maioria dos casos de depressão não possa ser considerada uma doença. Mas sim um estado de adaptação psíquico a um novo dado de realidade, que causa angustia, porém traz uma reação mais concentrada e útil para solução de problemas mais difíceis.

Nessa situação de vida, o feedback analítico tem um forte impacto, já que leva o paciente à reflexão sobre o sentimento de infelicidade, desencadeando processos criativos subconscientes. Assim a angústia “normal” ocasionada por um estado de infelicidade, é uma sensação que pode nos levar a reavaliar a vida. Costumo dizer que dificilmente alguém se recorda de ter ouvido: “- Nossa!!! Que situação boa!! Aprendi tanto com ela!!” O estado de aprendizagem na maioria das espécies, está condicionado a algum evento negativo.

Desta maneira, o estado de humor depressivo é um importante elemento a ser abordado de forma a convocar novos posicionamentos de vida.

Quando humor deprimido deixa de ser positivo?

É importante identificar quando uma pessoa permanece por duas semanas ou mais, com cinco dos sintomas relacionados abaixo. Neste caso trata-se dos critérios necessários para transtorno depressivo maior. Sendo assim, necessária intervenção medicamentosa.

  1. Perda ou ganho de apetite.
  2. Insônia ou sono em demasia.
  3. Indecisão ou capacidade diminuída de concentração.
  4. Agitação motora (como torcer de mãos) ou atividade física lentificada.
  5. Pensamentos recorrentes de morte e suicídio
  6. Menor interesse ou prazer nas atividades do cotidiano.
  7. Fadiga ou perda de energia.
  8. Sentimentos de inutilidade, culpa excessiva ou inadequação.

 

Esse post foi publicado em Diagnósticos, Psicanálise, Psicologia, Saúde Coletiva, Saúde Pública e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para A moda da depressão ou depressão, à sua moda.

  1. Paula Muniz disse:

    Só para deixar mais claro, diferencio o estados de humores sombrios, que por moda acabam conceituados como depressão do transtorno depressivo grave. Apesar de colocarmos no saco conceitual, como se fossem a mesma coisa.
    Todo estado de tristeza é importante e deve ser valorizado, porém nem todos precisam ser medicados. Esses podem ser abordados como motivação, a um novo posicionamento, frente as situações que ocasionam esses estados.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s